Clínica da Circulação

Doença da Artéria Carótida

As artérias carótidas são os vasos principais que levam sangue rico de oxigênio para o cérebro. O estreitamento das artérias carótidas ocorre pela formação da chamada aterosclerose, uma degeneração gradual da parede das artérias com acúmulo de placas de gordura, cujas principais causas são: Hipertensão arterial (pressão alta), diabetes, tabagismo e colesterol alto, que provocam uma obstrução gradual das artérias, fazendo com que o espaço para a passagem do sangue fique cada vez mais estreito, em alguns casos pode ocorrer a obstrução total.

O espessamento e endurecimento das artérias pode afetar todas as artérias do corpo, porém nas artérias carótidas existe ainda um componente mais grave, já que a força da passagem do sangue pode romper a placa de aterosclerose, fazendo com que seus detritos alcancem a circulação cerebral e provoquem o AVC.

A doença carotídea pode não apresentar sintomas durante vários anos, sendo o primeiro sinal justamente o AVC. Na sua forma mais comum, o AVC provoca uma súbita perda dos movimentos em um lado do corpo (braço e/ou perna), e eventualmente perda da fala, mas pode ser até mesmo fatal. Tais sintomas podem se reverter total ou parcialmente com o tempo, ou deixarem sequelas graves.